Qual Percentual Aceitável de Plágio ?

Compartilhar:

Uma das maiores dúvidas dos acadêmicos na hora da escrita do seu TCC é Qual percentual aceitável de plágio?.

Se tem uma ideia de que 3% é o aceitável dentro da maioria das faculdades. Mas, como mostraremos a seguir este valor pode ser muito diferente.

O que você estudante deve entender é que seu TCC deve ser 100% escrito por você seu grupo e não se ater a valores de plágio.

No vídeo explicaremos como estes 3% se aplicam na escrita da sua monografia para você não criar mais confusão.

MATERIAIS:

VÍDEO 1 – INSTRUÇÕES DA PREMIAÇÃO E INFORMAÇÕES DA SERIE

PASTA DROPBOX – MATERIAIS DO GUIA DA MONOGRAFIA

Afinal 3% é tolerado de plagio?

A pergunta central dos estudantes é se 3% é um limite de plágio aceitado dentro das universidades?

O que acontece e você deve entender é que não é tolerado plágio em hipótese alguma. Seu TCC deve ser 100% original e com 0% de plágio.

“A integridade da pesquisa científica deve basear-se em valores tidos como fundamentais pela comunidade científica internacional, tais como honestidade, confiança, justiça, respeito e responsabilidade.” (Pithan e Barcellos, 2016, p. 8)

Ou seja, caso você tenha passado seu TCC no farejador de plágio e acusou mais de 3%, você deverá tomar algumas medidas.

Você deverá analisá-lo e encontrar:

  • Citações indiretas que tenham caído em plágio e corrigi-las, todas elas.
  • Encontrar palavras e frases que possam ter caído em plágio. Palavras muito utilizadas em artigos podem cair no plágio.

São estes os pontos que você deve analisar caso o farejador de plágio tenha apontado 3% ou mais no seu TCC.

LEIA TAMBÉM:  Como Montar Projeto de TCC - Aula Completa

Cópias em citações diretas e indiretas não são tolerados, o aceito é apenas certas palavras que são muito utilizadas.

Como arrumar isto?

Nestes casos o que você vai ter que fazer em um primeiro momento é repassar o seu TCC em um farejador de plágio.

Com isto você deve observar e corrigir:

  • Todas as citações indiretas. Então se você usou uma citação indireta e trocou por sinônimos vai apontar cópia.
  • Citação direta caiu, neste caso você pode ter referenciado de forma errada.

No primeiro caso das citações indiretas trocadas por sinônimos você vai ter que corrigir e reformular a frase.

Acima de tudo você deverá até mesmo criar um novo conteúdo interpretando a citação, caso contrário você será pego na banca por plágio.

No caso de a citação direta ter acusado cópia, pode ter ocorrido de você ter referenciado de forma errada.

Caso você tenha pegado uma lei em um artigo e colocado no seu TCC, por exemplo, pode acusar plágio. Mesmo referenciando esta lei como retirada da constituição, o farejador vai considerar como cópia. Até mesmo se você tirou da lei mesmo e não de um artigo. Vá preparado para a banca, pois esta irá te questionar.

Você deverá argumentar com a banca e explicar que a lei que você utilizou ou trecho era muito importante para o seu TCC.

Mesmo estes constando em vários artigos, a não utilização do mesmo seria de grande falta a sua monografia.

Converse com a banca, não tenha medo, caso contrário eles podem ver a sua citação como plágio.

Concluindo

Então você já sabe, caso tenha alguma citação direta que esteja contando como plágio, confira as referências.

LEIA TAMBÉM:  Como Montar Uma Justificativa do TCC Com Apenas 4 Perguntas

Caso seja necessário faça até mesmo um apud, com a referência do artigo que foi retirado a sua citação. Aprenda a fazer Apud aqui: Como Fazer Apud (Citação de citação)

Agora você já sabe onde se encaixa os e como usar 3% de plágios tolerados pelas universidades em um TCC. Eles devem passar apenas em palavras e citações diretas muito utilizadas em artigos e monografias.

Plágio é crime! e como resultado pode resultar na sua reprovação do TCC pela banca. Além de perder todo o seu trabalha feito até então.

Mas com este conteúdo ficara muito mais fácil de você arrumar a partir de agora. basta seguir direitinho as dicas que disponibilizamos.

Bibliografia

PITHAN, H; BARCELOS, L. L. Integridade na Pesquisa e propriedade Intelectual na Universidade. Porto Alegre,RS: EDIPUCRS, 2016.

 

Compartilhar:

Deixe seu comentário