9 TIPOS DE TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO (DEFINITIVO)

Compartilhar:

como fazer um texto dissertativo argumentativo

6. Causa e Consequência

Muito encontradas em redações de vestibulares, esse tipo de texto dissertativo argumentativo como forma de tentar argumentar sobre o tema proposto. Tudo que será necessário fazer é comparar algo e deduzir coisas.

Tanto para temas muito problemáticos que possuem muitas causas e geram muitas consequências, quanto para alguns que só possuem uma causa e poucas consequências essa estratégia se adéqua bem. Quando se pensa nesses dois pontos, o cérebro automaticamente encontra bons argumentos (VILLAMARÍN, 2000).

É imperativo dizer que toda causa tem uma consequência. Ao analisar uma, a outra aparecerá logo em seguida e essa é a forma que os vestibulandos e concurseiros utilizam para argumentar em redações dissertativas.

Sendo uma correlação de ideias em que uma calcula a outra. Nos parágrafos que são estruturados dessa forma o raciocínio lógico deve ser encadeado da melhor forma possível de modo implícito ou explícito. (LIMA, 2011).

Aspirantes a universitários e a servidores públicos optam por essa metodologia pelo fato de ao analisar um, o outro rapidamente aparece. Mas, o raciocínio lógico deve ser destrinchado implicitamente ou explicitamente.

Por exemplo: É possível associar política à educação, veja só:

A causa de um governo corrupto vem de uma educação precária, já que os eleitores não contam com uma disciplina na escola para aprender sobre política, isso traz graves consequências para o Brasil, como, por exemplo, o aumento no índice de criminalidade e corrupção.

Conclui-se que a causa e consequência são uma forma muito eficaz de fazer associações entre assuntos divergentes. Nela o é preciso especular e comparar uma para que a outra venha em seguida. Não é necessário ter essas palavras no contexto podendo ser substituídas por sinônimos.

CLIQUE AQUI E BAIXE O INFOGRÁFICO

7. Comparação

Todos os dias o ser humano utiliza esse tipo de texto em algum momento. Seja para comparar preços de alimentos de marcas diferentes no supermercado, seja para comparar o nível da qualidade da água com o passar dos anos.

Para analisar melhor os dados, é colocada a evolução do problema com o passar do tempo. Desse modo o leitor poderá visualizar e interpretar as informações de uma forma mais simples para uma conclusão mais precisa (LIMA, 2001).

Fica mais fácil compreender um problema, quando é possível comparar seus impactos atuais com os passados. Com isso, a capacidade de resolvê-lo se torna maior.

Em qualquer trabalho acadêmico, é preciso possuir um embasamento teórico. Para que se tenha certeza que tudo o que foi evidenciado é mesmo verdade, para tal utilizamos fontes confiáveis de informação (PICCOLI, 2006).

Dois pontos importantes precisam ser colocados nesse gênero para atingir a meta. Um deles é a comparação com outros para tirar uma conclusão e o outro é embasá-la com pesquisas já completadas para não haverem dúvidas.

Veja um exemplo capaz de fazer você ter em mão embasamento para levantar críticas ao Brasil no que diz respeito ao cenário econômico:

Pode-se dizer que o desempenho econômico do Brasil está mal comparado a (quase) qualquer grupo de países e não se pode negar que os cinco países em questão forma um grupo. Essa comparação será feita em dois momentos. No primeiro será usado o período de 2011 a 2014, correspondendo ao primeiro mandato da presidente Dilma; o segundo considerará 2015 e 2016 como forma de capturar o futuro próximo. Todos os dados usados são do FMI e estão disponíveis na internet. A tabela abaixo mostra o crescimento do PIB de cada país nos dois períodos de interesse. Fonte: institutoliberal.org.br.

É correto afirmar que no cotidiano das pessoas, a comparação está presente a todo o momento. Nada obstante, quando se trata de um trabalho científico, ela precisa vir acompanhada de uma referência concreta para ampliar sua certeza.

8. Exemplificação

Utilizar exemplos para convencer as pessoas é uma forma bem eficiente de moldar o texto argumentativo dissertativo. Trazendo situações reais a credibilidade da opinião do escritor tende a aumentar.

Provocando o confronto entre dois lados, mostra exemplos reais para que a banca possa compreender melhor o que se passa. Muitas vezes as pessoas que estão fora do meio não compreendem alguns termos técnicos (TOLEDO e SPERA, 2007).

Para pessoas leigas conseguirem acompanhar melhor a linha de raciocínio, é aconselhável comparar o assunto com situações do dia-a-dia. Para que o desempenho possa ser mais bem aproveitado.

Certos cuidados precisam ser tomados quando se quer utilizar esse tipo de texto dissertativo argumentativo. Não coloque mais que dois exemplos ou escreva ensinamentos muito longos, caso contrário, se parecerá mais com um texto narrativo do que com um texto argumentativo (BIANCHETTI, 2002).

Apoiar uma afirmativa com algo de jornais, revistas e etc. Se estiver falando de violência, aponte um exemplo de violência, se estiver falando de Marketing empregue situações. Todavia, não coloque muitos ou muito extensos ou a classe mudará.

Abaixo segue uma demonstração do que escrever:

A saúde do município de Minas Gerais anda mal cuidada. Visto que profissionais de saúde das UPAS paralisam atividades em Uberaba.

O Marketing tradicional está demitido. O Marketing acaba de avançar até o ponto em que os sistemas de automatização vão aprender sobre o seu público-alvo e o que eles respondem, entregando as mensagens “certas” no momento certo. Então, onde isso deixa você, o profissional de marketing, preocupado?

Em últimas palavras, é preciso lembrar que para pessoas que não conhecem muitos termos técnicos da área, a melhor técnica de dissertação é colocar exemplos reais. Contudo deve-se escolher com cautela para não exagerar na quantidade nem no tamanho. Para aprender encontrar o assunto do TCC leia o artigo Tema TCC – 4 Passos Engessados Para Você Escrever o Seu.

9. Enumerativo

como fazer um texto dissertativo argumentativo

Essa classe de texto argumentativo se caracteriza por alocar as informações em uma sequência lógica. É utilizado para ordenar fatos de acordo com seus acontecimentos como numa linha do tempo.

Nesse tipo de obra, as ideias são organizadas seguindo uma lógica pré-definida. Expõe-se a temática principal que é formada por três pedaços conectados. Cada um é desenvolvido em uma dentro do parágrafo (BOTELHO, 2010).

Mostrar como os fatos aconteceram ou acontecem seguindo uma ordem cronológica é no que se baseia a dissertação enumerativa. Nela todas as orações são conectadas para formar uma só frase.

Também pode ser utilizada para enumerar a quantidade de soluções possíveis para a resolução de um problema apresentado uma ideia-chave. Ou mostrando a evolução de determinado animal, comportamento, atividade ou máquina (LUNA, 2012).

A dissertação argumentativa enumerativa é escolhida quando o acadêmico quer mostrar de forma clara e exata, a forma como os fatos aconteceram. Muito parecida com uma linha do tempo.

Texto enumerativo:

Usar o Monografis não é uma opção, mas sim uma nova perspectiva do futuro. Primeiro, porque há muitos anos migramos de maquinas de datilografia para o Word. Depois, porque ficou obvio não usar mais máquinas obsoletas e sim o Word. Logo, torna-se fundamental migrar para novas ferramentas focadas em escrita direcionada.

Por fim, resta ao discente que organize todos os dados coletados com a pesquisa para que sejam apresentados da maneira mais coerente. Arrisca-se a dizer que é como montar uma linha do tempo.

CLIQUE AQUI E BAIXE O INFOGRÁFICO

10. Contra-Argumentação

como fazer um texto dissertativo argumentativo

Outra forma que pode ser adotada tanto no projeto TCC quanto em qualquer outro texto dissertativo argumentativo é a contra argumentação. Ela consiste em colocar o ponto de vista do aluno perante um tema polêmico utilizando argumentos concretos.

Para tentar derrubar as premissas da oposição, deve-se ter a mente aberta, analisar os discursos contrários ao seu e pensar em que pontos eles mais atacam. Fazendo isso será fácil organizar uma estratégia contra para oposição (SILVA, 2008).

Para conseguir encontrar os contra-argumentos, o discente precisa analisar os motivos que sustentam as teses adversárias. Assim poderá elaborar planos de ataque a elas visando seus pontos mais fracos.

Qualquer tipo de argumentação pode ser refutado. Existem quatro formas de fazer isso: mostrar que os fatos não são suficientes para estabelecer uma analogia, mostrando que as semelhanças não são suficientes para estabelecer tal afirmação, apontando os tópicos que não foram levados em consideração e estabelecer uma coerência parecida levando a outros desenlaces (CAMORCARDI, 2003).

Expandir os horizontes da mente e pensar como o inimigo ajuda a compreender o porquê de ele ter chegado a essa conclusão e ajuda a encontrar os pontos fracos. Para isso opte por uma das quatro formas, exibindo o que não foi mostrado, indicando novos caminhos, mostrando que não há provas o bastante ou explicando que não há semelhanças entre as partes.

Vamos a um exemplo:

Eutanásia, por exemplo, desligar os equipamentos de um doente que está em coma. Existem argumentos fortes a favor dessa prática e há contra-argumentos. Onde o contra-argumento existe para ir de encontro ao argumento a favor do desligamento.

Eutanásia: ato de proporcionar morte sem sofrimento a um doente atingido por afecção incurável que produz dores intoleráveis.

Nesse ritmo, é apenas uma questão de tempo, pouco tempo até que finalmente se consiga quebrar o argumento em questão. Para isso, abrir a mente e enxergar o lado do outro através da empatia.

CLIQUE AQUI E BAIXE O INFOGRÁFICO

Recapitulando

Vê-se, pois, que o acadêmico tem nove opções diferentes para escolher como fazer um texto dissertativo argumentativo. O primeiro deles são os dados estatísticos, eles se caracterizam por se apoiarem em investigações quantitativas.

Logo em seguida, os dados históricos são utilizados para fortalecer um argumento. Que são utilizados para poupar tempo e atrair bons olhares para o tema em questão, não sendo aconselhável colocar muitos contextos, pois o objetivo principal será diminuído.

A classe questionamento é de livre escolha do educando. Apesar disso, é importante começá-lo com um embasamento teórico forte para defender o tema e acarretar a criação de temas relevantes.

As citações são muito importantes em qualquer tipo de trabalho, uma vez que, elas dão maior confiabilidade. Podem ser de três tipos: direta, indireta e citação de citação.

Toda ação exige uma reação. Quando uma é colocada, a outra vem logo em seguida, dando inspiração para que o texto possa ser continuado, precisam ser colocadas de forma lógica de modo explícito ou implícito.

Utilizada diariamente para levantar críticas, a comparação entre os objetos e situações é utilizada no TCC para mostrar a evolução dos problemas. Precisa andar de mãos dadas com um embasamento para ser complementada.

Apontar exemplos sobre o tema é a melhor forma de interar pessoas leigas ao assunto. Uma vez que conseguem mentalizar com funciona, é possível entender como resolver as adversidades.

Quando se quer mostrar a ordem em que aconteceram determinados fatos ao longo da história, utiliza-se a enumeração. Ela também pode ser proposta para everiguar as prováveis saídas de obstáculos.

O que os professores mais ensinam para concurseiros e vestibulandos é a defesa do ponto de vista próprio perante o outro. Ter empatia pelo próximo é a chave para conseguir escrever dessa maneira.

Artigo: 9 TIPOS DE TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO

Por: Douglas Tybel e Jader Bastista Favero

CLIQUE AQUI E BAIXE O INFOGRÁFICO

Bibliografia

BIANCHETTI, L. Trama e Texto: leitura crítica: escrita criativa. 2. ed. São Paulo: Summus, 2002.

BOMFOCO, M. A. Aprendendo português através de gêneros literários: poesia. Porto Alegre: Buqui, 2014.

BOTELHO, J. M. Redação empresarial sem mistérios: como escrever textos para realizar suas metas. São Paulo: Gente, 2010.

CAMORCARDI, E. M. Estratégias de persuasão em textos jornalísticos, publicitários e literários. São Paulo: Arte & Ciência, 2003.

ELIAS, P. R. S. Redação para vestibulares, concursos e Enem. Fortaleza: HBM, 2013.

GUIEIRO, N. A. A Menina Que Odiava Redação. [S.l.]: Clube de Autores, 2009.

HARTMANN, A. M. Descomplicando a redação: concursos, vestibulares, Enem – em perguntas e respostas. Porto Alegre: AGE, 2015.

LIMA, A. O. Redação essencial para concursos [recurso eletrônico]: descobrindo os segredos: teoria e exercício. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

LIMA, R. L. D. M. O Ensino da Redação: formas de expressão imperativa. 2. ed. Maceió: EDUFAL, 2001.

LUNA, M. J. D. M. Redação no vestibular: a elipse a a textualidade. 2. ed. Fortaleza: UFPE, 2012.

NETO, B. H. D.; ALL, E. Direito processual do trabalho. Curitiba: IESDE Brasil, 2012.

PICCOLI, J. C. J. Normalização para trabalhos de conclusão em Educação Física. 2. ed. Canoas: ULBRA, 2006.

SANTOS, G. D. R. C. M.; MOLINA, N. L.; DIAS, V. F. Orientações e dicas práticas para trabalhos acadêmicos. Curitiba: Ibepex, 2007.

SILVA, A. L. C. D. Introdução à análise de dados. Rio de Janeiro: E-papers, 2009.

SILVA, R. D. C. D. C. Redação para concursos e vestibulares. São Paulo: Digerati Books, 2008.

TOLEDO, E. L. D. S.; SPERA, J. M. S. Linguística Textual: Literatura, Relações Textuais, Ensino. São Paulo: Arte & Ciência, 2007.

VILLAMARÍN, A. J. G. Como superar a barreira do vestibular: a metodologia ideal para os candidatos realmente decididos a vencer. Porto Alegre: AGE, 2000.

 

Compartilhar: